Imperatriz é POP – Parte I

04/09/2009

Entrevista  com Walber Santos Herênio (professor orientador de Thiago Rodrigues de Anchieta Silva, que, com o projeto FIBRA DO BURITI: UMA ALTERNATIVA AO ISOPOR,  foram selecionados para a participação da mais ilustre feira jovem que acontece nos Estados Unidos – Intel ISEF).

SDC11363_0001

Walber Santos Herênio

1-) Qual a sensação de um professor orientador cujo estudante teve seu projeto contemplado com uma premiação tão importante quanto a viagem à ISEF?

Olha a sensação em primeiro lugar e de muita felicidade e de realização ver que o trabalho realmente deu certo e você olhar um estudante que você orientou que esteve com ele no dia-a-dia enfrentou dificuldades de todos o tipos de dificuldades financeiras para imprimir um banner dificuldade de se locomover para poder ir para o local da pesquisa. Quando você está fazendo uma pesquisa principalmente nesse nível da educação básica  você enfrente um e alguns problemas assim bem peculiares e passa aquele filme na tua cabeça ali rapidinho e  você vê o cara ali todo feliz   então você lembra de tudo isso e da aquela sensação realmente de muita felicidade de dever cumprido de que aquilo que você fez valeu apena. Você estar acompanhado você ter investido o tempo naquele aluno ter acompanhado ele quando chega naquele momento realmente é de dever cumprido de  muita felicidade de muita alegria

2-) Qual sua visão sobre a realidade da pesquisa na educação básica da cidade e quais as possibilidades de crescimento para ela na atualidade?

Assim a pesquisa na educação básica em imperatriz ela ainda ta engatinhando mais eu vejo que ela esta sendo feita na forma correta com responsabilidade é com o engajamento de profissionais sérios que esteja envolvido e preocupado realmente não só mente em ganhar um prêmio ou coisa desse tipo mais no real desenvolvimento do aluno, e mesmo agente estando nesse nível… Esse princípio de desenvolvimento comparando com outros grandes centros a gente observa facilmente o grande potencial que a nossa cidade tem pra pesquisa, Imperatriz é uma cidade localizada na região pré-amazônica então aqui… facilmente você consegue está no cerrado você consegue está  na Amazônia você consegue estar em lugares bem distintos  com a locomoção pequena  então isso aumenta muito a potencialidade da cidade em relação a pesquisa. E agente acredita muito, Imperatriz também é uma cidade cheia de problemas e a pesquisa principal é isso o jovem ele desperte e desenvolva essa mentalidade de realmente de está preocupado com o lugar que ele vive com cidade então agente vê com bons olhos e acredita muito na pesquisa e no potencial da cidade


3-) Você acha que, com a divulgação da mídia, a pesquisa poderia ser difundida mais facilmente na sociedade?

Com certeza acho que a mídia tem um papel fundamental na divulgação e essa divulgação é importante para que possamos ter mais pessoas envolvidas nesse processo e às vezes agente vê que tem muito “professor” na cidade que ele tem vontade também de trabalhar com pesquisa de fazer um trabalho em determinadas escolas mais que as vezes ele não tem informação de como é então acaba esfriando porque ele não chega a outra pessoa que pensa como ele e começa a agregar pessoas pra fazer o trabalho então lá a mídia tem esse papel de realmente divulgar e de você se encontra ali com outras pessoas esta envolvido, e torna a ciência mais acessível e próximo do nosso dia-a-dia o ideal e que agente fala-se de pesquisa assim no nosso dia-a-dia como falamos de futebol por exemplo.

Em breve, a entrevista com Ivetilde Delgado – representante da secretaria municipal da educação.


O Maranhão é POP!

04/08/2009

Entrevistas com Professor Alexandre Passos, Walber Herênio e Ivetilde Delgado sobre a pesquisa científica na educação básica já foram feitas, e logo, logo, você tera acesso e esse conteúdo em nosso canal do Youtube.

 


Imperatriz é destaque!

24/07/2009

O professor Alexandre Passos foi uma das pessoas a representar a cidade de Imperatriz na 7ª FEBRACE (Feira Brasileira de Ciências e Engenharia). Em uma entrevista ao JMTV, programa de notícias da TV Mirante, ele comentou sobre a massiva participação da cidade, tanto pelo número quanto pela qualidade dos trabalhos provenientes dela.

É importante lembrar que, em certo momento da entrevista, ele fala sobre o incentivo que os alunos conseguem trazer uns aos outros e isso explica porque, a cada ano, Imperatriz tem uma participação cada vez maior em feiras como essa. O melhor de tudo, no entanto, foi o momento em que o professor comenta sobre o nosso trabalho. =D

Alexandre Passos da Silva é diretor do Núcleo de Divulgação Científica da Região Tocantina, sediado em Imperatriz-MA, e organizador da FECITEC.