O vôo da Águia

16/01/2010

A águia é a ave que possui a maior longevidade da espécie.

Chega a viver 70 anos. Mas para chegar a essa idade, aos 40 anos ela tem que tomar uma séria e difícil decisão.

Aos 40 anos ela está com as unhas compridas e flexíveis não conseguem mais agarrar as suaspresas, das quais se alimenta. O bico alongado e pontiagudo se curva. Apontando contra o peito estão as asas, envelhecidas e pesadas em função da grossura daspenas, e voar já não é tão difícil!

Então, a águia sótem duas alternativas: morrer… ou enfrentar um dolorido processo de renovaçãoque irá durar 150 dias.

Esse processo consisteem voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão onde ela não necessite voar.

Então, após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em uma parede até conseguir arrancá-lo.Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar suas unhas. Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas.

E só após cinco meses sai para o famoso vôo de renovação e para viver então mais 30 anos.

Em nossa vida, muitas vezes, temos de nos resguardar por algum tempo e começar um processo de renovação. Para que continuemos a voar um vôo de vitória, devemos nos desprender de lembranças, costumes e outras tradições que nos causaram dor. Somente livres do peso do passado, poderemos aproveitar o resultado valioso que uma renovação sempre traz.

Como professores, devemos sempre estar prontos a renovar nossas forças

Por: Prof.ª.Cleide Avila


1ª MOCINN – Mostra Científico Norte Nordeste

14/01/2010

MOCINN

Ultima chance para fazer sua inscrição e um dos maiores eventos científicos destinado a jovens pesquisadores, a 1ª MOCINN – Mostra científica Norte Nordeste, que ocorrerá esse ano na cidade de Belém do Pará. O evento surgiu com a parceria entre os estados da região norte e nordeste e conta como organizado grandes sonhadores e idealizadores do movimento científico jovem.

Em sua primeira edição o evento já firmou parceria com:

FEBRACE Feira Brasileira de Ciências e Engenharia

MOSTRATEC Mostra Internacional de Ciências e Tecnologia

MILSET – The International Movement for Leisure Activities in Science and Technology

EXCETEC – Exposição Christus de Ciência e Tecnologia

FENECIT – Feira Nordestina de Ciência e Tecnologia

FECITEC – Feira de Ciências e Tecnologia do Sul do Maranhão

MOJATEC – Mostra Jarbas de Tecnologia e Ciência

FEICIPA – Feira de Ciências do Estado do Pará

FEICITEC – Feira de Ciências e Tecnologia do Nordeste do Pará

FEICIMA – Feira de Ciências do Município de Abaetetuba

As inscrições estão abertas até dia 17 de janeiro de 2009, não perca essa chance e participe deste grande evento.

Mais informações em: www.mocinn.net


Inov-AÇÕES Edição Nº 02 – Diário de Bordo/ Caderno de Campo

09/01/2010

shutterstock_23080549Um tarefa que deveria ser simples, pois qual a complexidade em relatara o dia-a-dia do seu projeto? Nenhuma, mas mesmo assim existem muitas duvidas sobre o diário de bordo. Primeiramente  vamos esclarece o porquê de tantas duvidas.

Por mais impressionante que pareça todos tem uma informação nova um modelo de “fazer” o caderno de campo diferente, mas a verdadeira realidade e que não existe normas ou tutorial a ser seguido sobre item “caderno de campo”, O que existe são pequenos detalhes que variam de região para região, vamos responder as seguintes perguntas que representam algumas das principais duvidas dos alunos.

1. É permito colar imagens de fotos no diário de bordo?

2. Existe alguma recomendação sobre o caderno que deve ser usado?

3. Caso eu erre alguma palavra o que deve ser feito?

1 – Bem não existe nenhuma regra que diga se é permitido ou não usar fotos no caderno de campo, a questão e que cada “Evento” tem sistemas de avaliação diferentes, então para que não seja prejudicado em uma feira tente usar o mínimo de fotos possível para não passar a impressão que está tendo ocupar espaço. Se for realmente necessário colocar muitas imagens busque criar um caderno “apêndice” só com fotografias;

2 – Sim, O ideal é que o caderno seja brochura com numerações (caderno de atas), e outra duvida dos alunos e sobre a escrita no verso da pagina que não possui numeração, Bem quanto a isso grande parte das feiras concorda que: “onde existe linha é para ser escrito”.

3 – Alguns professores indicam o uso do “digo” para a correção imediata da palavra exemplo:

Utilizou-se 30g de NaCl, digo 45g.

Essa é uma das recomendações entretanto a utilização excessiva desse recurso pode acabar prejudicando o entendimento do texto, Então entra em ação a segunda opção que é a usa em redações. A correção por meio de rasura exemplo:

Utilizou-se 30g 45 de NaCl

shutterstock_20988202 As duas opções estão corretas cabe a você escolher qual delas usar, mas de forma nenhuma passe corretivo sobre o texto.

Lembre-se que o diário de bordo deve ser escrito desde o inicio da pesquisa e jamais deve ser passado alimpo, Logo abaixo seguem algumas dicas que você pode utilizar em seu caderno de campo:

DICAS PARA O DIÁRIO DE BORDO

1. Não há restrições quanto ao número de páginas do caderno que você irá usar: isso irá depender de quanto tempo você tem disponível para realizar o trabalho e se o grupo pretende realizar uma pesquisa bastante detalhada.

2. Se o trabalho for em grupo, faça com que todos os componentes da sua equipe escrevam no diário de bordo frequentemente. Afinal, se todos estão trabalhando no projeto, todos têm muito a dizer;

3. Registre os acontecimentos por data. É importante fazer esse acompanhamento para dar maior credibilidade ao que está sendo escrito;

4. Como já dissemos, no diário você poderá escrever em primeira pessoa (“eu fiz”, “nós fizemos”). Você escolhe como irá escrever;

5. Adquira o diário de bordo antes de iniciar a pesquisa. ESSA DICA É FUNDAMENTAL, porque, quando um grupo inicia suas atividades e não as registra, pode esquecer fatos importantes sobre ela ou até mesmo não dar conta de registrar tudo, acumulando os assuntos e atrapalhando o acompanhamento da pesquisa. Mesmo já tendo seu diário, não se acomode: é fundamental que você não deixe para escrever os fatos depois – fazer isso é um grande erro;

6. Sua letra não precisa ser enfeitada, apenas compreensível. Ninguém é obrigado a ter uma letra bonita, mas, também, ninguém é obrigado a entender garranchos;

7. Tente dedicar-se ao seu diário de bordo. Em muitos casos, “poucas páginas escritas” são sinônimas de “pouco trabalho realizado”;

8. Seja criativo! O diário de bordo é uma das poucas oportunidades dentro da Pesquisa Científica que você tem liberdade para inovar;

9. A primeira folha do caderno deve ser utilizada como capa (para identificar o tema da pesquisa, o nome dos componentes, a cidade e o ano de início do projeto, além de outras coisas, como o nome da sua escola ou instituição de ensino).

10. Se o seu diário de bordo está rasurado ou tem erros ortográficos, não se preocupe: NÃO SE AVALIA UM DIÁRIO DE BORDO PELA SUA BELEZA, MAS PELA SUA ORGANIZAÇÃO.

É bom saber que essa é apenas uma dica, não uma regra. Cabe a você decidir qual a melhor maneira de fazer seu banner/pôster.


Até que enfim!

08/01/2010

Quem está acompanhando, percebeu. Quem não está, vai notar a diferença. Depois de um longo período de tempo sem atualizar nosso blog, estamos voltando, finalmente. A mudança será aos poucos, já que temos um monte de coisas pra fazer ao mesmo tempo. Logo, logo, você terá acesso a arquivos interessantes na página de "Downloads", e já pode ver algumas fotos e imagens na página "Galeria". A página "Conquistas" foi reformulada e atualizada, e nossa home page está cheia de informações novas. Continue visitando nosso blog, e divulgue para as outras pessoas. Assim, teremos mais um motivo para melhorá-lo cada vez mais: nossos fiéis seguidores! 😉


Finalistas da 8ª FEBRACE

08/01/2010

FEBRACE No dia 18 de dezembro, a lista dos finalistas da 8ª edição da FEBRACE – Feira Brasileira de Ciências e Engenharia, foi divulgada, e, como já era esperado, Imperatriz marcou presença. No total, foram 15 aprovados do Estado do Maranhão e 14 da cidade de Imperatriz.

Advirto que alguns dos selecionados já são “figurinhas carimbadas” em eventos científicos nacionais e internacionais, o que garantiu a um belo “time” de representantes para a cidade. Veja abaixo a lista completa dos finalistas e de quais eventos eles já participaram.

1. A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA FOTOCATALÍTICO ZNO/U.V NA ANÁLISE E CONTROLE DE PATÓGENOS MICROBIANOS PRESENTES EM AMBIENTES INTERNOS CONTAMINADOS

a. II FECITEC – Feira de Ciência e Tecnologia do Sul do Maranhão

b. 7ª FEBRACE – Feira Brasileira de Ciências e Engenharia

c. ICYS – International Conference of Young Scientists

d. MILSET – The International Movement for Leisure Activities in Science and Technology

e. SBPC – Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência

f. III FECITEC – Feira de Ciência e Tecnologia do Sul do Maranhão

g. 24ª MOSTRATEC – Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia

2. PROJETO I9: REVOLUCIONANDO A PESQUISA II

a. XVIII MOSTRARCE – Mostra Regional de Ciências e Engenharia

b. 7ª FEBRACE – Feira Brasileira de Ciências e Engenharia

c. 9ª EXCETEC – Exposição Christus de Ciência e Tecnologia

d. XIX MOSTRARCE – Mostra Regional de Ciências e Engenharia

e. III FECITEC – Feira de Ciência e Tecnologia do Sul do Maranhão

f. 24ª MOSTRATEC – Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia

3. FIBRA DO BURITI

a. II FECITEC – Feira de Ciência e Tecnologia do Sul do Maranhão

b. 24ª MOSTRATEC – Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia

c. 7ª FEBRACE – Feira Brasileira de Ciências e Engenharia

d. Intel ISEF – The Intel International Science and Engineering Fair

4. CARVÃO ALTERNATIVO

a. 9ª EXCETEC – Exposição Christus de Ciência e Tecnologia

b. XIX MOSTRARCE – Mostra Regional de Ciências e Engenharia

c. III FECITEC – Feira de Ciência e Tecnologia do Sul do Maranhão

d. 24ª MOSTRATEC – Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia

5. A INFLUÊNCIA DO USO DA CÂMERA FOTOGRÁFICA DIGITAL NO COMPORTAMENTO E APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES ADOLESCENTES DE IMPERATRIZ-MA.

a. III FECITEC – Feira de Ciência e Tecnologia do Sul do Maranhão

b. XX Mosceest – Mostra de Ciência e Engenharia da Escola Santa Teresinha

6. VARIAÇÃO LINGUÍSTICA DE IMPERATRIZ – MARANHÃO: POR QUE “VOCÊ” FALA “TU”?

a. XIX MOSTRARCE – Mostra Regional de Ciências e Engenharia

b. 24ª MOSTRATEC – Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia

7. O OLHAR DA MÍDIA (REVISTA VEJA 2008) SOBRE O ABUSO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

a. III FECITEC – Feira de Ciência e Tecnologia do Sul do Maranhão

b. XX Mosceest – Mostra de Ciência e Engenharia da Escola Santa Teresinha

8. HORTA RECICLÁVEL DE AUTO-IRRIGAÇÃO

a. III FECITEC – Feira de Ciência e Tecnologia do Sul do Maranhão

b. 7ª FEBRACE – Feira Brasileira de Ciências e Engenharia

9. INSETICIDA NATURAL A BASE DA FOLHA DE HORTELÃ E MANJERICÃO

a. III FECITEC – Feira de Ciência e Tecnologia do Sul do Maranhão

10. UTILIZAÇÃO DO ASTROCARYUM VULGARE NA ADSORÇÃO DE METAIS POTENCIALMENTE TÓXICOS

a. XIX MOSTRARCE – Mostra Regional de Ciências e Engenharia

11. A UTILIZAÇÃO DA CASCA DE BANANA (MUSA SAPIENTUM) COMO PURIFICADOR DE ÁGUA.

12. SISTEMA AUXILIAR PARA MANOBRAS DE ESTACIONAMENTO – SAME

13. O USO DA LUFFA CYLINDRICA COMO ACELERADOR TÉRMICO NA PRODUÇÃO DE UM CARVÃO ENRIQUECIDO.

14. LEVANTAMENTO FLORÍSTICO E FITOSSOCIOLÓGICO EM UMA ÁREA DE CERRADO NO SUDOESTE DO MARANHÃO

Parabéns a todos os “feirantes”, ou, melhor dizendo, “febracianos”. E Boa Sorte.

Pessoas


Inov-AÇÕES Edição Nº 01 – Como utilizar bem o espaço do Pôster/Banner

08/01/2010

Durante a realização de um projeto, podemos nos deparar com problemas que variam do simples ao complexo – a questão é: não importa o problema, sempre há uma solução. Veja, por exemplo: os painéis (bâneres). Muitas pessoas se deparam com problemas de espaço, em que elas acabam tendo que resumir seus textos ao máximo. O que muitos não sabem é que uma solução “inovadora” pode resolver rapidamente esse problema. O uso de fluxogramas pode reduzir a necessidade de espaço, já que eles possibilitam a você definir sua metodologia ou resultados em tópicos e imagens chamativas. A idéia pode não só solucionar o problema, como também pode trazer uma ferramenta visual nova para aqueles que passam pelo seu estande. O uso dessa ferramenta visual pode ajudar também na sua apresentação oral, permitindo que as pessoas entendam melhor o seu projeto. Você pode até ganhar alguns pontos com os jurados.

Para criar um fluxograma, devem ser obedecidos alguns critérios: quando o fluxograma ficar pronto, ele deve ser entendido por uma pessoa que não acompanha o seu projeto. Lembre-se que os fatos sempre devem ser relatados em ordem cronológica, já que uma coisa leva a outra; assim, todos os seus métodos estarão  interligados. Enfim: divida os seus métodos em etapas, como: planejamento, análise, resultados (entre outros). Lembre-se que, shutterstock_26587654se for necessária alguma informação abaixo do tópico, tente diminuir a fonte da letra e não colocar muito texto. Ressalto que alguns detalhes podem ser apresentados na exposição oral – já é suficiente. Você pode ver exemplos de fluxogramas em nossos  bâneres, na seção “Galeria” ou logo abaixo.

É bom saber que essa é apenas uma dica, não uma regra. Cabe a você decidir qual a melhor maneira de fazer seu banner/pôster.


A verdadeira Iniciativa

07/01/2010

    É grande o  desafio que se apresenta a quem pretende mudar a maneia de entender e de ser das pessoas, e maior ainda o de querer mudar os paradigmas sobre os quais elas pautam sua visa, sua forma de ser e de agir.

Felizmente, sempre há alguem que aceita esse desafio de mudança, abraça a ideia de enfrentar essas dificuk]ldades e, como pioneiro e desbravado, vai à luta, pondo em prática a sua decisão. 

É o que vem acontecendo, no terreno da educação, com numerosos  professores e diretores. Aqueles que assumem essa atitude podem ser chamados de “iluminados”, pois são guiados por forças superiores que lhes dão coragem de desafiar situações complicadas e não temem enfrentar problemas.

Eles, como detentores de uma visão prospectiva do futuro, são impulsionados pelo desejo de romper barreiras e pela vontade de shutterstock_22229035pôr em ação a metodologia do “fazer diferente”; seguem o ideal de trabalhar com projetos nas escolas para implantar o “aprender a conhecer “, O aprender como fazer”, o “aprender a ser pelo conviver”.

[…]

  O trabalho como projetos de pesquisa

Jorge Santos Martins